5 de ago de 2014

CARTA ABERTA À OPINIÃO PÚBLICA ANTI-ISRAEL E ANTISSEMITA MUNDIAIS

"Eu, que imaginava estar vivendo tranquilo e em paz no interior do Paraná, fui ofendido frontal e declaradamente"


ABRAHAM SHAPIRO


Por mais de três milênios a opinião pública mundial voltou-se contra nós, Judeus.
O Rav Pinchas Dov Fisman, de Bnei Berak, meu rabino, e eu.
Em pleno século XX, na antiga União Soviética, Stalin tentou nos destruir. Na Alemanha, Hitler levou toda uma nação a reputar-nos como ratos, sanguessugas e “escória da humanidade”.
Hoje, o mundo novamente multiplica opiniões maciças contra Israel, a despeito de sua ação militar na Faixa de Gaza ser  defesa legítima contra abusos e provocações terroristas assíduas durante anos pelo Hamas. E como se não bastasse, as populações voltam-se contra Judeus em muitas partes do mundo em ataques vândalos a sinagogas, cemitérios e entidades. O antissemitismo se prolifera à velocidade e índices só vistos  na Segunda Guerra Mundial.
Eu mesmo, que imaginava estar vivendo tranquilo e em paz no interior do Paraná, fui ofendido frontal e declaradamente por pessoas muito próximas, de quem eu imaginava gozar de respeito mínimo, além de ver clientes meus serem aconselhados a cortar relações comigo sob argumentos caluniosos engenhados especialmente para me degradar.
Diante destes fatos horrendos, transcorridos em menos de trinta dias, venho a público a fim de fazer   simples  e modestas perguntas:  
- Onde estão Stalin e seu comunismo –  criado para mudar o mundo?

- Onde estão Hitler e aquele seu Terceiro Reich – que duraria mil anos?
Estão derrotados, humilhados e enterrados. E seus feitos, falidos ao cubo, ou à décima potência!
Nós, Judeus, no entanto, cá estamos. E continuamos sabendo que de um modo ou de outro, chegará o dia em que todo o mundo se voltará contra nós... gratuitamente. Por isso, o que estampam os jornais de hoje e da semana que passou  é “café pequeno”. E se comparado a tudo o que já passamos antes, um brinquedo infantil.
Pois que venham os novos Stalins e os outros Hitlers. Se há de ser assim, que seja! E que enfrentemos nós o devir”, não os nossos filhos e netos.
A única coisa certa em todo esse contexto é que  não abriremos mão da defesa do nosso Povo, da nossa Terra e da nossa Fé, em absoluto. Até recentemente éramos mortos e o mundo nos via como ovelhas no matadouro. Agora, todos nos veem e verão lutando contra tudo e contra todos os que engendram nos derrotar. Pois que usem as armas e os escudos que bem desejarem, nós nos defenderemos, mataremos e destruiremos. Jamais sem propósito ou provocativamente. Mas em defesa, sim. Apenas isso!
______________________ 

Abraham Shapiro é consultor e coach. Sua filosofia de trabalho, em uma só palavra, é "simplicidade". É autor do livro "Torta de Chocolate não Mata a Fome". E-mail: shapiro@shapiro.com.br Fone: 43. 8814.1473